O estigma na dependência química

O conceito de estigma descreve as poderosas percepções negativas comumente associadas ao abuso e dependência de substâncias. O estigma tem o potencial de afetar negativamente a autoestima de uma pessoa, prejudicar suas relações com os entes queridos e impedir que aqueles que sofrem de dependência acessem o tratamento.

O estigma é um problema de saúde pública – contribui para as altas taxas de mortalidade, encarceramento e problemas de saúde mental entre populações dependentes.

Definindo o Estigma

O estigma é definido como um conjunto de crenças negativas que um grupo ou sociedade mantém sobre um tópico ou grupo de pessoas. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o estigma é uma das principais causas de discriminação e exclusão e contribui para o abuso dos direitos humanos. Quando uma pessoa experimenta o estigma, ela é vista como “menos do que” por seu estado de saúde real ou percebido.

O estigma raramente é baseado em fatos, mas sim em suposições, preconceitos e generalizações; portanto, seu impacto negativo pode ser evitado ou diminuído por meio da educação. O estigma resulta em preconceito, esquiva, rejeição e discriminação contra pessoas que têm um traço socialmente indesejável ou se envolvem em comportamentos culturalmente marginalizados, como o uso de drogas.

Família, amigos e o público em geral podem transmitir sentimentos negativos sobre o uso ou comportamento de drogas. Eles podem até usar termos depreciativos, como “drogado”, “alcoólatra” ou “maconheiro”. Esses pensamentos, sentimentos e rótulos podem criar e perpetuar o estigma.

Impacto Social e Mental

O estigma percebido pode causar grandes danos às pessoas em suas vidas sociais. O estresse crônico da discriminação pode afetar a saúde mental e social dos indivíduos que usam drogas. Essas pessoas podem se sentir empurradas para a periferia da sociedade e podem perder o contato com a comunidade e a família e experimentar profunda solidão e isolamento.

Quando uma pessoa não tem vínculos sociais ou um amigo para conversar, é menos provável que eles procurem atendimento médico ou tratamento. Eles também são mais propensos a ficar deprimidos e podem esconder o uso de drogas dos profissionais de saúde para evitar o estigma e a vergonha das drogas. As consequências do isolamento para a saúde mental podem alimentar ainda mais o uso de drogas, levando a um isolamento ainda maior e, em última análise, a um ciclo vicioso do qual é difícil sair.

Historicamente, a dependência de drogas tem sido vista como imoral ou o resultado de uma falta de autocontrole. Essas visões contribuem para o estigma e apresentam barreiras para as pessoas que acessam o tratamento necessário.

Lutando Contra o Estigma

Não importa a situação, ninguém gosta de se sentir julgado ou desvalorizado. A fim de encorajar as pessoas a buscar ajuda e entrar no caminho da recuperação, é importante reduzir o estigma em torno de sua situação.

Algumas formas eficazes que ajudam a reduzir o estigma incluem:

  • Ofereça apoio compassivo
  • Seja gentil com pessoas em situações vulneráveis
  • Ouça mais, retenha seu julgamento
  • Veja uma pessoa por quem ela é, não quais drogas ela usa
  • Trate as pessoas com dependência de drogas com dignidade e respeito
  • Substituindo atitudes negativas com fatos baseados em evidências
  • Falando quando você vê alguém maltratado por causa do uso de drogas
  • Compartilhando suas próprias histórias de estigma

FONTE:www.drugabuse.gov

Comments are closed.